Início
Agrupamento
Atividades
Destaques
Documentos
Exames
Informações
Contactos







 Abril 2018 
DomSegTerQuaQuiSexSab
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930 
Matrículas Pré-escolar e 1º Ciclo Ensino Básico Ver artigo




Visita de estudo de alunos do nono ano a Peñafiel e León Ver artigo
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem

ENCONTRO DE ALUNOS E DE CULTURAS

Visita de estudo de alunos do nono ano a Peñafiel e León

Os alunos do nono ano da Escola Básica de Penafiel Sul-AEJA, deslocaram–se a Peñafiel para mais um encontro cultural e de convívio.

A viagem iniciou-se pelas seis e meia da manhã do dia 12 de abril. Os pais e mães mostravam um pouco da sua apreensão por deixarem partir para longe de si os seus filhos. Para alguns era a primeira vez, mas a liberdade e a responsabilidade podem começar assim… e é muito melhor quando há outros colegas envolvidos, com um grupo de professores disponível a fazer o melhor por aqueles a quem dedicam toda a sua vida.

Organizaram este encontro as professoras espanholas, Ana Díez Casado, Laura Rebollo, Paloma Garcia, Sofia Suarez e Carmen Rodrigo; e os professores portugueses Mário Martins Ferreira, José Manuel Castanheira, António José Paixão e Lúcia Chaves Cardoso. 

O vento e a chuva empurraram o moderno autocarro da Valpi, a estrear, nas mãos da competência do Sr. Avelino. Em Bragança, fez-se uma paragem para o pequeno almoço. Seria por volta do meio-dia que estes navegadores aportaram a Tordesilhas para visitar as Casas do Tratado e se inteirarem melhor, através de uma exposição permanente e de um filme, de como tudo decorreu no século XV.

Arrumada a bagagem nas camaratas do Convento de S. Pablo, após o almoço, formaram-se dois grandes grupos, alternando as visitas ao Posto de Turismo de Peñafiel e à Casa de la Ribera, onde, por um lado, se apreciaram em filme as festas de S. Roque e da Páscoa, com a atividade taurina muito própria de Peñafiel e, por outro, se assistiu ao vivo à vida de uma família peñafidelense nos inícios do século XX. A terminar a tarde, participaram numa bela conferência sobre a História e a Culura de Penafiel, apoiado numa apresentação em diapositivos, apresentada ao vivo pelo professor D. Mário Ferreira (assim versava o convite castelhano). A sala estava repleta de alunos e pessoas que haviam testemunhado o primeiro encontro aquando da geminação de Penafiel com Peñafiel. Estavam presentes a Conselheira da Cultura María Ascensión Rodríguez Soria e a Conselheira do Turismo, Yolanda Burgoa. A organização de toda esta conferência esteve a cargo da diretora da Biblioteca de Peñafiel, Dr.ª Pilar Gonzalez. Foi um momento emocionante com troca de lembranças entre os vereadores da Alcaidaria e da Câmara Municipal, representados estes, pelos professores portugueses. Os espanhóis manifestaram muita emoção e apreço por este momento de abordagem e conhecimento mais profundo da história do nosso concelho e da cidade de Penafiel, agradecendo ao orador e organizador da conferência, sobre a celebração deste momento histórico para as duas cidades.

À noite a chuva não deu tréguas fazendo com que rapidamente todo o grupo regressasse ao aconchego das mantas e cobertores dos enormes dormitórios que circundam os belos claustros do convento de S. Pablo.

A manhã fria, mas sem chuva deixou entrar a todos, na Biblioteca do Instituto Conde de Lucanor, onde mais uma vez se trocaram lembranças pela celebração dos quinze anos de Intercâmbio Cultural. A diretora do Instituto Conde de Lucanor, Dr.ª Isabel Hernandez, ofereceu um livro de fotografias, da autoria da professora espanhola Carmen Rodrigo, em que as belas fotos espelhavam todos os encontros e mais sentidos momentos de intercâmbio. Também foram trocadas algumas lembranças pessoais marcadamente durienses, em especial queijos e vinhos finos e de mesa. A delegação portuguesa em nome da Escola de Penafiel Sul e do Agrupamento de Escolas Joaquim de Araújo ofereceu marcadores de livros com o trecho do rio Douro desde a nascente à foz, contendo fitas “mescladas”com as cores das bandeiras portuguesa e espanhola, executadas pelo professor Mário Ferreira; bem como umas caixinhas em cartão verde, simbolizando as cores portuguesas, com um laço com as cores espanholas. O interior continha uma flor com pétalas verdes as folhas vermelhas com um centro amarelo, da autoria das colegas de EV e ET, Ana Santarém e Luísa Lopes. No ambiente festivo gerado por esta troca de galhardetes foi ainda oferecida ao Instituto Conde de Lucanor uma pintura com dois quadros, contendo o Sameiro e a Câmara de Penafiel do lado esquerdo e do lado direito o Castillo de Peñafiel e a zona da judiaria e a ponte sobre o rio Duraton; no meio mostrava a nascente do Douro e a foz no Porto com o barco rabelo, oferta também da Escola e de todo o Agrupamento AEJA, com a assinatura do pintor Tó-Zé Paixão. Cercando os quadros o autor inscreveu as seguintes frases em espanhol no lado português e em português do lado castelhano: “Penafiel / Peñafiel – 30 anos de cidades geminadas- 30 años de ciudades hermanadas – 15 años de Intercâmbio Cultural; e entre o díptico: a distância nos separa, o Douro nos une – la distancia nos separa, el Duero nos une”.

Impressionante foi a visita à Basílica de San Isidoro em que se podem apreciar as pinturas da chamada “Capilla Sistina de la Edad Medieva”. Pinturas de tons azulados, ocres e avermelhados a desenharem nas paredes e abóbadas toda a vida de Cristo, para além de outros motivos naturais e relato pintado de costumes e tradições. Puramente divinal a beleza da arte românica em todo o seu esplendor e grandiosidade, para além de toda a riqueza da arquitetura do templo românico.

Feito o “recorrido en el trem” por toda a cidade, pelas “cinco de la tarde” visitámos a majestosa Catedral de León na estrutura elegante do seu gótico e na luminosidade fulgurante dos seus vitrais. Os vistantes escutaram pelo aparelho auricular todos os cinco capítulos mais importantes componentes da famosa e formosa catedral. Seis arquitetos trabalharam em Léon durante 42 anos, para que a restauração fosse possível, com a inauguração do restauro celebrada a 27, 28 e 29 de Maio de 1901.

Apesar de algumas menos boas disposições, os alunos portugueses e espanhóis subiram ao Castelo de Penafiel, onde puderam admirar uma bela paisagem urbana da cidade e os extensos campos de vinha e de trigo verde. A história milenar incrusta-se na pedraria calcária daquelas muralhas ancestrais onde se eleva “la Peña más Fiel de Castilla”. No interior visitaram o museu mais completo do vinho em Espanha.

Por fim os alunos compraram lembranças para suas famílias, enquanto os professores passaram os olhos por Pintia. Em especial à necrópole do antigo castro que ocupava, na altura castreja, mais de 25ha e era a principal cidade junto ao que é hoje Peñafiel. Tivemos a oportunidade de ser acompanhados pelo Diretor do Proyecto Pintia, Carlos Sans Mínguez docente da Universidade de Valladolid que nos fez uma breve explicação do Projeto.

O almoço partilhado com alguns alunos e professores espenhóis foram o culminar destes três dias de intenso intercâmbio de pessoas e de culturas.

Para finalizar deixamos um exerto do n.º4 da revista “Catedral de Léon”: “En 2018 celebramos el Año Europeu del Património Cultural, una iniciativa del Parlamento y del Consejo de la Unión Europea, que pone em relieve la importância cultural, económica, social y medioambiental del Património Cultural. Entre los objetivos de la celebración se encuentran “…fomentar el intercâmbio y la valoración del património cultural en Europa como recurso compartido, sensibilizar acerca de la história y los valores comunes, y reforzar el sentimento de pertencia a un espácio europeo comum”.

Os alunos castelhanos também se puseram em frente ao autocarro, mas ele partiu inexorável perante o sofrer de quem queria estar perto, de quem queria um abraço irmão. Porém, nada nem ninguém, afastará da memória destes alunos de duas nações, os sentimentos de partilha e irmandande celebrados nestes três grandes e inesquecíveis dias de verdadeiro Intercâmbio Cultural.

 

Tó-Zé Paixão

Penafiel, 17 de abril de 2018

 

O XVI À Convers@ com Pais de Galegos Ver artigo


O XVI À Convers@ com Pais de Galegos de 13 de Abril de 2018 sobre "Parentalidade Positiva- Estilos parentais e afirmação de regras" constituiu um espaço de partilha e de troca de ideias e saberes centrada na tarefa educativa dos pais na articulação com a Escola, e sendo acima de tudo um momento de valorização de temáticas como os estilos parentais, de apresentação de estratégias para solucionar as dificuldades na educação e na afirmação de regras com exemplos práticos e orientações, tornando-se num momento determinante para a prevenção de dificuldades futuras dos alunos do comportamento, aprendizagem e insucesso escolar
A importância do À Convers@ com Pais distingue-se essencialmente como uma atividade de sensibilização para o desenvolvimento de competências parentais e promotora de uma atitude preventiva e um apoio educativo coerente e consistente dos encarregados de educação que poderá contribuir para o  desenvolvimento pessoal e social dos seus filhos.



Corta Mato Nacional Ver artigo
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem

"A aluna Diana Fernandes, do 8.ºA, participou com dedicação e empenho no Corta-Mato, no escalão Iniciados Feminino, tendo alcançado o 1.º lugar na Fase CLDE - Lousada e o honroso 2.º lugar no Corta-Mato Nacional, que decorreu em Açoteias - Albufeira. Parabéns Diana!"

XVIII Concurso de Flautas das Escolas do Vale do Sousa e I do Tâmega Ver artigo
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem

Durante o 2º período, a escola foi convidada a participar no XVIII Concurso de Flauta de Bisel das Escolas do Vale do Sousa e I do Tâmega. Foi realizada a primeira eliminatória a nível de 5.º ano (pré-seleção - a nível interno), tendo participado todas as turmas. 

Desta seleção, a aluna Mara Sousa, número dezassete do quinto H, ficou em primeiro lugar e representará a escola na Final que irá decorrer no dia 17 de abril, às catorze horas e trinta minutos, na Escola Básica de Eiriz. O aluno Gonçalo Andrade, número nove do quinto F, ficou em segundo lugar, é suplente, tendo a oportunidade de assistir à Final e caso ocorra algum imprevisto, irá substituir o aluno que ficou em primeiro lugar.  Ainda, o aluno  Francisco Miguel Gonçalves Teixeira, número sete, do quinto D, ficou como suplente do aluno que ficou em segundo lugar.

Neste momento,  os alunos encontram-se a estudar a peça obrigatória:  “Sorry” de Tracy Chapman. 


Ampliar

Ampliar
Ver mais Destaques
Oferta Educativa 2017/2018 Ver artigo

Jardins de Infância

JI Calvário - Bustelo
JI P. Pimentel - Guilhufe e Urrô
JI Igreja Marecos - Penafiel
JI Ponte Novelas - Penafiel
JI Agulha - Galegos

Escolas de 1.º ciclo EB

EB1 Igreja - Guilhufe e Urrô
EB1 Convento - Bustelo
EB1 Cruzeiro - Galegos
EB1 Covilhô - Novelas - Penafiel

Escolas do 1.º ciclo EB com Jardim de Infância

EB1 + JI Boavista - Santiago Santiago - Penafiel
EB1 + JI Torre - Urrô - Guilhufe e Urrô
EB1 + JI Centro Escolar de Rans - Rans
EB1 + JI Centro Escolar de Duas Igrejas - Duas Igrejas
EB1 + JI Póvoa - Guilhufe e Urrô

Escola Básica Penafiel Sul

  • 2.º e 3.º Ciclos - Ensino Regular

Escola Secundária Joaquim de Araújo


Ver mais Oferta formativa para o ano letivo 2016/2017
Centenário - Joaquim de Araújo Ver artigo


Abre-se agora este espaço, destinado à promoção, divulgação e informação do Centenário da morte de Joaquim de Araújo, poeta, cônsul, incansável promotor e divulgador da cultura portuguesa e patrono do Agrupamento de Escolas Joaquim de Araújo.
Em Janeiro de 2016 demo-nos conta que a 11 de Maio de 2017 se cumpririam cem anos da morte de Joaquim de Araújo. Começou aí o projecto de envolver o agrupamento, a câmara e a biblioteca municipal na comemoração digna e promotora do patrono do agrupamento.
São muitas as razões que nos levam a dinamizar tal efeméride. Com efeito, mesmo que Joaquim da Araújo não seja um grande poeta (embora alguns os estudiosos da sua obra não subscrevam esta consideração), mesmo que tenha saído relativamente cedo de Penafiel e não tenha regressado (pelo que sabe da sua correspondência com pena sua), mesmo que tenha assumido ideias e posições polémicas, mesmo assim Joaquim de Araújo é uma figura incontornável da segunda metade do século XIX: foi seguramente quem, no século XIX
, mais contribuiu para a divulgação e promoção da cultura portuguesa, sobretudo além-fronteiras. É razão suficiente para o agrupamento de escolas, que o tem como patrono, se envolva na comemoração do centenário da sua morte com a dignidade e respeito que merece. Não o fazer seria, além de uma omissão inadmissível em relação a esta personalidade marcante, uma perda indesculpável na consolidação da identidade do agrupamento. Para bem de todos.
É o que estamos a fazer. O Agrupamento de Escolas Joaquim de Araújo coordena e dinamiza as comemorações do Centenário da morte do seu patrono. Neste sentido, convidámos a câmara municipal e a biblioteca para se associarem a nós e nos apoiarem na dignificação, promoção e divulgação da obra de um filho de Penafiel. Do seu imediato envolvimento, que muito nos apraz e dignifica a autarquia e a biblioteca, há-de, a seu tempo, dar-se notícia. Para já, a gratidão pela disponibilidade, envolvimento e colaboração de todos.
Neste espaço serão dadas notícias sobre a comemoração, as actividades a desenvolver, as entidades envolvidas e, como não podia deixar de ser, a promoção, divulgação e dignificação de Joaquim de Araújo e do agrupamento que tem o seu nome.
Um jovem de dezasseis anos que cria uma revista literária na qual participa a quase totalidade dos escritores portugueses e não mais parou na divulgação e promoção da cultura nacional merece, certamente, o nosso apreço e justifica o nosso envolvimento.






Ver mais Centenário - Joaquim de Araújo
contactar | webmaster
Facebook  Feed Edulink Mobile Mobile Android APP